Matérias



O que é transtorno bipolar Depressão

Home > Matérias > Depressão > O que é transtorno bipolar

TranstornoBipolarO que é transtorno bipolar

Doença é marcada por oscilações graves de humor; saiba como reconhecer os sintomas

 

Você provavelmente já deve ter ouvido alguém chamar outra pessoa de “bipolar” com a intenção de ofender, apontando que essa pessoa muda de ideias e humor facilmente.

Mas, longe de representar uma ofensa e apenas um bom ou mau humor passageiro, a bipolaridade é um transtorno psiquiátrico, caracterizado por sérias alterações de humor e comportamento, em que em há períodos de intensa agitação e exaltação, e outros de muita tristeza, interferindo seriamente em todas as áreas da vida - relacionamentos, trabalho e estudos.

Existem dois tipos principais de transtorno bipolar, o tipo I e o tipo II, além de algumas variações pouco definidas. No tipo I, a pessoa apresenta um comportamento eufórico e exaltado, durante pelo menos sete dias seguidos. Esse período é chamado de mania e se intercala com episódios depressivos, que duram, no mínimo, duas semanas.

Já no transtorno bipolar tipo II, o indivíduo passa por períodos mais longos de depressão e mais curtos de agitação. Em ambos os tipos de distúrbios, existem fases de normalidade.

 

Cuidado: nem toda alteração de humor é um transtorno bipolar

 É importante esclarecer que não existe um humor totalmente equilibrado. Todos nós temos altos e baixos ao longo do dia em decorrência de fatores externos e até mesmo internos (como é o caso de muitas mulheres que estão passando pela TPM). No entanto, essas mudanças de humor não necessariamente configuram um quadro de transtorno bipolar. 

 

Conheça os sintomas do transtorno bipolar

 

Sintomas típicos da fase maníaca

  • Exaltação e sensação de grandeza

  • Aumento dos níveis de energia (a pessoa se torna mais ativa do que de costume e quer fazer várias coisas ao mesmo tempo)

  • Nervosismo e irritabilidade (como se estivesse por um fio)

  • A fala e os pensamentos são extremamente rápidos

  • InsôniaComportamento inseguro (ex.: gastar muito dinheiro de uma só vez ou praticar sexo sem proteção)

 

Sintomas típicos da fase depressiva

 

  • Tristeza, vazio e desesperança

  • Sensação de culpa

  • Cansaço e pouca energia

  • Dificuldades para realizar atividades rotineiras

  • Problemas de sono (dorme muito ou pouco)

  • Dificuldades de concentração

  • Alterações no apetite (come muito ou pouco)

  • Pensamentos sobre morte ou suicídio

 

O transtorno bipolar pode estar presente mesmo quando as mudanças de humor são menos extremas. Por exemplo, algumas pessoas com a doença vivenciam a hipomania, uma forma menos grave de mania.

Durante um episódio hipomaníaco, o indivíduo pode se sentir muito bem, ser altamente produtivo e criativo e, embora acredite que não tenha nada de errado consigo mesmo, os familiares e amigos podem perceber as mudanças anormais de comportamento.  

 

Causas

Ainda não se sabe as causas exatas do transtorno bipolar, porém os estudiosos acreditam que existem uma combinação de fatores envolvidos, que inclui alterações na estrutura e no funcionamento do cérebro, herança genética e histórico familiar.

Geralmente, a doença manifesta sintomas na adolescência e início da fase adulta, mas no começo as alterações de humor e comportamento podem ser sutis e confusas. Por esse motivo, muitas pessoas que têm a doença são negligenciadas, e o diagnóstico acaba sendo tardio.

 

Tratamento é fundamental para manter a qualidade de vida

O transtorno bipolar é uma doença crônica, que tende a piorar se não houver tratamento adequado. Portanto, se você observar os sintomas descritos acima, não relute em procurar ajuda psiquiátrica. Reconhecer a doença é um dos primeiros passos para viver melhor.

O tratamento do transtorno bipolar se baseia na administração de medicamentos e psicoterapia, que ajudam a controlar os sintomas de forma efetiva, melhorando a qualidade de vida e o bem-estar.

Além disso, adotar hábitos saudáveis, como a prática regular de atividades físicas e alimentação equilibrada, e gerenciar o estresse podem contribuir para o controle do distúrbio.  

Voltar